segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

A escrita da história para as séries iniciais: o texto didático em questão

Detalhe da capa de Fundamentos teórico-metodológicos do ensino de História (Anos iniciais).
Freitas, 2010. Capa de Eduardo Oliveira e Thiago Neumann.
O professor Kazumi Munakata costuma afirmar que livro didático é um artefato de papel e tinta, costumeiramente utilizado em situação didática. Mas alerta: “não são meramente idéias, sentimentos, imagens, sensações, significações que o texto possa representar. Nem tampouco é o texto em abstrato. Pois esse texto, de que as pessoas normalmente vêem apenas idéias, sentimentos, imagens, etc., é constituído de letras (confeccionadas com tinta sobre papel) segundo uma família de tipo (ou face de tipo ou fonte), que lhes dá homogeneidade.” (Munakata, 1997, p. 84).
A definição é suficiente para compreendermos as múltiplas possibilidades de análise desse objeto fundamental na vida de professores e alunos brasileiros, nos séculos XIX, XX e XXI. E esta multiplicidade é consensual entre os pesquisadores da área (Cf. Bittencourt, 1993; Gatti Júnior, 2004). Aqui, no entanto, ficaremos apenas na dimensão textual escrita, ou seja, no plano do veículo que representa idéias, sentimentos, imagens e significações. Mas, se há consenso entre os pesquisadores sobre as especificidades do instrumento livro didático (manual escolar, livro escolar) e a variedade de formas de abordar tais especificidades, seria possível estender a noção de “didático” ao texto do livro didático? Existiria um gênero “didático” a ser respeitado e cultivado pelos produtores de livros para situações de ensino-aprendizagem de história regional? Existiria um gênero didático para a escrita didática de história regional?
A escrita didática da História (1).
Cyborg. Aracaju, 2008
.
Sobre esse tema, os pesquisadores do ensino de história pouco avançaram. Em revisão de literatura sobre didáticos no ocidente, Alain Choppin afirma que, apenas no final da década de 1980, “o livro didático deixou de ser considerado como um texto subsidiariamente ‘enfeitado’ de ilustrações”, e a iconografia didática – e a articulação semântica que une o texto e a imagem – passou a ganhar relevância. (Choppin, 2004, p. 33). No entanto, não é exagero afirmar que, entre os escritores de livros de história do Brasil, mesmo no período citado por Choppin, a reflexão sobre o caráter didático de um texto produzido para crianças e/ou adolescentes resultou menos em uma teorização de fundo lingüístico e mais sobre um saber-fazer.
Vejamos alguns exemplos das séries finais do ensino fundamental, do antigo ensino secundário e do ensino médio, que atravessaram o século XX. Graciliano Ramos (1981), em Pequena história da República, explorava recursos retóricos – a ironia, o diálogo –, abusava do pretérito imperfeito, empregava títulos curtos, que resumiam a ação do capítulo –“Não matem o barão”, “Não sou negro fugido” etc. –, vocabulário do cotidiano carioca e textos brevíssimos – entre 5 e 10 parágrafos em média. Jonathas Serrano (1941), também produtor de histórias do Brasil, preocupava-se muito mais com o apuro da língua, a sintaxe da forma culta, mas em ordem natural, frase curta, texto breve, respeitando, tanto o verniz cilivizatório (se o aluno já havia cursado francês, por exemplo), quanto às possibilidades de cognição dos aprendizes (Cf. Freitas, 2006). Hélio Vianna (1967) – ou o seu editor – era econômico com os títulos: apenas dois níveis hierárquicos. Dividia o capítulo em meia dúzia de tópicos constituídos por reduzido número de parágrafos que variavam de ½ a duas páginas, no total. Narrava como observador, mas lançava mão, aqui e ali, de um “já vimos, na unidade XIX”, recuperando o fio da narrativa para o leitor. Não adotava o resumo, no entanto.
Entre os contemporâneos citemos, por exemplo, alguns “conselhos didáticos”de um autor campeão nacional de vendagem. Para Jobson Arruda, se se quer escrever uma história integrada, com pluralidade interpretativa (o econômico e o cultural), contemplando a macro e a micro história, é necessário fazer, ao mesmo tempo, narração/descrição e análise: “Da mesma forma que você descreve, você lê e conceitua” (Arruda, 1997, p. 83-84 apud. Gatti Júnior, 2004, p. 95).
Vejamos também alguns exemplos para o livro didático de história regional (que é o nosso interesse principal), no caso o livro para as séries iniciais de história do Estado de Sergipe. No final do século XIX, a escrita didática para crianças configurava-se num resumo de obra de erudição sobre o mesmo tema. Assim, a História de Sergipe de Laudelino Freire (1898) reduzia o formato original, concentrava o conteúdo, mas mantinha a narrativa política e realista e o vocabulário cientificista da História de Sergipe de Felisbelo Freire (1891). Já em 1916, Elias Montalvão passou a contar a história em forma de pequenos contos, em discurso direto, com personagens ligados à vida do estudante: a avó, a tia, os colegas de turma e o professor. Na História de Sergipe de Acrísio Torres de Araújo (1967), está de volta a narrativa política de Felisbelo Freire, desta vez, sem explicitação das teorias cientificistas, bem mais resumida e com vocabulário bastante prosaico. Nas três obras publicadas em seguida, o texto é ainda mais resumido, distanciando-se, porém, da seqüência diacrônica da história político-administrativa de Acrísio Torres (Cf. Neves, 198-; Oliveira, 1988; Santos, 1994). A interrogação é abundante, os parágrafos são breves e o texto escrito já sofre a concorrência da ilustração em cores, que domina a mancha. A última publicação de história local para as crianças é temática e veio à lume em 1998. Em Para conhecer a história de Sergipe, de Lenalda Santos e Terezinha Oliva, os operadores argumentativos são idênticos aos textos acadêmicos, sem contudo abusar da apresentação de conceitos e da pluralidade interpretativa. (Cf. Freitas, 2002).
Os exemplos aqui apresentados são breves e dispersos, mas permitem a construção de uma sentença provisória, já anunciada: o caráter “didático” dos textos escritos dos livros escolares varia conforme as crenças ou os insights do autor-experimentador. O “didático” pode ser justificado por princípios de tal ou tal corrente da psicologia (mentalismo, comportamentalismo, cognitivismo), por efeitos retóricos cujos fins orientam para a obtenção do máximo de prazer e de convencimento por parte do leitor (discurso direto, narrador em primeira pessoa, conversa com o leitor); por orientações pedagógicas, partilhadas com a psicologia, sociologia, antropologia e história (inclusão de conhecimentos prévios, dos saberes exteriores à escola, aprendizagens significativas, exclusões de qualificativos politicamente incorretos), e, ainda, por diretrizes lingüísticas (o abuso da frase coordenada, a forma culta, porém, não rebuscada da língua portuguesa, presença do dialogismo). Então, não há consensos temporários sobre o que viria a ser um texto escrito em forma didática (e um texto didático para o ensino de história)? Vamos sair um pouco desse mundo de hipóteses e questões desterradas e perguntar àqueles que elegeram o texto como objeto privilegiado – os que mais têm buscado responder o que é e como se produz um texto. (Cf. Maingueneau, 2006, p. 141; Val, 2004, p. VII).

A escrita didática da História (2).
Cyborg. Aracaju, 2008.
O que é um texto didático?
Antes da resposta, conheçamos uma noção básica: o que significa a palavra texto? Texto é uma “seqüência lingüística autônoma, oral ou escrita, produzida por um ou vários enunciadores numa situação de comunicação determinada”. Para ser “texto” a seqüência lingüística deve satisfazer a alguns critérios entre os quais se destacam: coesão, coerência, intencionalidade (do enunciador), aceitabilidade (do co-enunciador). (Maingueneau, 2006, p. 140-142). Segundo Costa Val (2004), temos um texto quando uma seqüência de palavras e frases possibilita a comunicação/veicula informação numa determinada situação comunicativa. A autora sentencia: “o que as pessoas têm para dizer umas às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos.” (Val, 2004, p. 3).
Se a comunicação entre as pessoas é mediada por textos – dados a ler em situações diversas, com funções e estruturas diferenciadas –, admitamos todos a existência de vários tipos de texto.
O texto literário, no qual é dominante a função estética, proporciona uma espécie de enquadramento que coloca fora do mundo da realidade a afirmação contida na obra; acentua o grau de consciente realce do próprio signo e possui um lado expressivo imprimido por uma linguagem que está muito longe de ser apenas referencial. (...) Quanto ao texto científico considerado em seus diferentes gêneros (artigo, ensaio, resenha, relatório, monografia, dissertação, tese), sua finalidade primeira é a de permitir a discussão objetiva (intersubjetiva), pela comunidade científica, das explicações, das teorias e dos resultados presentes nos enunciados, com vistas a validar ou não o conhecimento produzido. Nos diferentes gêneros em que se concretiza, o texto científico constrói-se a partir de uma linguagem denotativa ou unívoca. (Santos, 2001, p. 17).
Agora, vejamos como outros autores explicam essa variação:
[os] textos têm determinadas características que os diferenciam uns dos outros. Assim, se a intenção de um locutor é contar um fato, real ou fictício, ele optará por produzir um texto, verbal ou visual, que apresente, em sua estrutura, o fato, as pessoas ou personagens que o viveram, o momento e a época em que o fato ocorreu. Se a sua intenção é a de opinar sobre um fato, ele produzirá um texto que se organiza em torno de argumentos, pois sua finalidade é convencer seu interlocutor. Se a intenção é a de instruir, ele indicará passo a passo o que deve ser feito para se obter um bom resultado. Se a intenção for transmitir conhecimentos, o locutor deverá reproduzir um texto que exponha os saberes e seja capaz de construí-los de forma eficiente. (Cereja e Magalhães, 2000, p. 11, grifos nossos).
Observem que as duas citações diretas abordam o mesmo tema e possuem idêntica extensão – entre 650 e 720 caracteres: ambas exploram a variação textual em termos de funções e situações comunicativas. No entanto, se o leitor for convidado a apontar a citação que melhor proporciona o entendimento sobre os diferentes tipos de texto, dificilmente optará pela primeira. E por qual motivo? A resposta está contida na segunda citação, em negrito. A seqüência de palavras e de frases de William Cereja e Thereza Magalhães apresenta “passo a passo” o tema da variação textual, ou seja, expõe de forma didática – em texto didático. Não sem razão, tal citação (Cereja e Magalhães) foi extraída de um livro didático de língua portuguesa para alunos do ensino médio, enquanto o primeiro fragmento (Santos) tem origem num trabalho de pós-graduação, destinado aos pesquisadores do ensino de língua portuguesa.
Já que temos um exemplo de “texto didático”, podemos, agora, anunciar uma definição instrumental: texto didático é um “texto escrito para ser dito, para informar ou para propor algo à compreensão, à análise ou até à memorização de fórmulas, etc., [que] tem na relação pedagógica a função de articular o ensino e a aprendizagem.” (Paviani, 2001, p. 11, in: Santos, 2001). Para Márcia Santos, a natureza do “didático” está relacionada à função do texto: o ato de ensinar:
O texto didático remete ao usuário (aprendiz) como necessidade. Difere assim, nesse aspecto, de outros tipos de texto [literário, científico], os quais, ao serem usados no ensino, agregam a posteriori à sua finalidade específica – e à organização que os caracteriza relativa a essa finalidade, e que se mantém – a dimensão pragmática do ensinar. Já no caso do TD, a finalidade de ensinar – ou sua dimensão pragmática – que lhe é necessária, instaura-se como um a priori, o que deve imprimir, na sua organização – ou na sua dimensão sintático-semântica – marcas específicas. (Santos, 2001, p. 19).
Quais seriam, então, os atributos sintático-semânticos do texto didático? Em termos lingüísticos, que atributos seriam fundamentais aos textos produzidos para situações de ensino-aprendizagem? Márcia Santos organiza as recomendações em quatro eixos: 1) progressão temática – os textos devem estar isentos de contradições, apresentar as informações necessárias à compreensão dos conceitos e explicitar a rede conceitual mínima envolvida; 2) precisão e clareza – deve garantir coesão e coerência, formular as definições corretamente, empregar a terminologia técnica com rigor, explicitar o referencial teórico e o sentido das palavras polissêmicas, inserir/articular elementos explicativos (gráficos, figuras etc.) com a informação verbal e inserir esquemas-síntese; 3) diagramação – o texto deve ser apresentado em projeto gráfico simples e funcional, evidenciando relações hierárquicas (inclusão, comparação etc.), enfatizando definições e/ou aspectos principais, garantindo boa legibilidade, roteirização de leitura e utilização de cores; 4) argumentatividade – garantir coesão, coerência, precisão e clareza e projeto visual adequado. (Cf. Santos, 2001, p. 222-223).
Nesse roteiro de recomendações, observe-se que também foi levado em conta o projeto gráfico, responsável pela materialização do texto escrito. E não foi somente esse elemento externo. Observem, ainda, o grande determinante da natureza do texto didático: a sua função relativa ao ensino. Percebam que o rol de orientações para a construção do texto didático depende, em última instância, da concepção de ensino que o escritor professa. Inculcação [1] ou interação? A autora fez opção pela segunda. Daí, a nova concepção de texto didático, anunciada ao final da sua obra: “[texto didático é] aquele que ensina a produzir conhecimento à luz do conhecimento científico e do processo de produzir conhecimento e em cuja produção se verifica um processo de interação textual e conceitual”. (Santos, 2001, p. 221).

A escrita didática da História (3).
Cyborg. Aracaju, 2008.
Texto didático para o livro escolar de história das séries iniciais: considerações e propostas
O que é (e como se faz) um texto didático para o livro de história das séries iniciais? Vimos que as escolhas lingüísticas foram submetidas às teorias de ensino-aprendizagem. E se assim entenderam os lingüistas citados, teríamos tantas formas didáticas a orientarem a elaboração dos escritos didáticos quantas fossem os princípios e/ou teorias de ensino disponíveis no mundo escolar e/ou corporativo: o behaviorismo de Skinner (1954) e a invenção da instrução programada; o construtivismo de Jean Piaget, o cognitivismo de Benjamim Bloom (1956) e de Jerome Bruner (1966), behaviorismo/cognitivismo de Robert Gagné, o sócio-construtivismo de Vygotsky, a teoria da assimilação (Ausubel, Novak e Hanesian, 1978) e as inteligências múltiplas de Howard Gardner (1983), entre outras (cf. Coll, 2004). Especificando ainda mais: existiriam tantos escritos didáticos de história quanto os modelos didáticos em história sintetizados ou aplicados isoladamente pelos professores:  1. ensino tradicional – aprendizagem memorialística; 2. ensino por descoberta – aprendizagem construtivista; 3. ensino por exposição – aprendizagem significativa. (Cf. Pozo, Asensio e Carretero, 1998, p. 211-239).
Então, elejamos uma dessas teorias pedagógicas. Continuemos com a idéia de “interação”, anunciada acima, pela analista da lingüística textual. Suponhamos que a teoria de ensino-aprendizagem adotada por nós incorporasse como fundamental a idéia de desenvolvimento, construção (pelas crianças) e apresentação de conceitos às crianças (Proença, 1989, p. 98-99; Bergamaschi, 2002, p. 24; Shmidt & Cainelli, 2004, p. 62-63); que esses conceitos possuam a genérica função de possibilitar a produção de sentido, construção do real e leitura do mundo, enfim, agindo como ferramentas para a elaboração da consciência histórica e da idéia de historicidade dos indivíduos (Rüsen, 2001); que constituam e sejam constituídos pela linguagem; que a aquisição e o desenvolvimento da linguagem ocorrem por intermédio de trocas entre as crianças e os seus interlocutores, ou seja, além de construção cognitiva e fisiológica é também uma elaboração sócio-histórica (Piaget, 1998; Vigotsky, 2001); pensemos ainda que esses conceitos – estruturantes e estruturados pela linguagem, instrumentos de significação da vida – possam ser classificados em dois tipos: conceitos substantivos – que nomeiam (inventam/constroem) fatos e temas localizáveis no tempo e no espaço (ex: revolução, classe, burocracia, bispo, comércio); e conceitos metahistóricos – relativos à epistemologia histórica (ex: evidência e fato, razões e causas, continuidade e mudança, relato e narrativa) (cf. Lee, 2002, p. 15; Barca, 2006, p. 108); em síntese, suponhamos que a nossa teoria de ensino-aprendizagem esteja baseada em pressupostos oriundos da psicologia sócio-construtivista e da teoria historicista da história: o que seria, enfim, um texto didático de história para o livro escolar das séries iniciais?
A resposta agora parece simples: não seria o texto didático e sim os textos, ou melhor, o livro didático de história seria constituído por uma variedade ainda não mensurada de textos correspondentes aos vários gêneros que as crianças empregam ou empregarão em breve no seu cotidiano. Pensando dessa forma, não haveria o texto didático – eminentemente descritivo, narrativo, argumentativo ou dissertativo –, e sim, gêneros textuais dispostos/organizados/apresentados em situações de aprendizagem – narrativa, correspondência, descrição, legenda, história em quadrinhos, entre outros. Mas, por que gêneros textuais? Por que tal pluralidade? A justificativa vem mais uma vez da lingüística textual e agora, também, da lingüística aplicada ao ensino da língua portuguesa. Em primeiro lugar, porque os escritos didáticos de qualquer disciplina, além de fonte de informação/formação para as crianças sob objetivos específicos, são também meios para “a aquisição e para o desenvolvimento da leitura”. Sua função é também “fornecer o material para que o aluno, lendo, aprenda a ler” (Perini, 1988, op. cit Azevedo, 200, p. 53).
A outra razão está relacionada a uma nova concepção sobre o ensino do vernáculo. Nos últimos 15 anos, a disciplina língua portuguesa tem sido concebida não mais como transposição didática da lingüística estruturalista; ensino de gramática (ortografia, acentuação, fonética, e morfologia), até sem ligações com o texto que o aluno acabou de ler ou com a experiência que o aluno leva à escola.[2] O texto ganhou centralidade, deixou de ser, apenas, fundo para a gramática da palavra/frase. Passou-se a dar “ênfase na leitura, análise e produção de textos narrativos, descritivos, argumentativos, expositivos e conversacionais, considerando seus aspectos enunciativos, discursivos, temáticos, estruturais e lingüísticos (que variam conforme as situações comunicativas)” (Bezerra, 2005, p. 43). Ensinar língua portuguesa tem sido encarado como criar situações concretas de desenvolvimento da linguagem e o aperfeiçoamento do conhecimento da língua, por meio da leitura e da produção de textos. Fundamental para o aluno é saber ler, falar e escrever de acordo com qualquer situação comunicativa, ou seja, em quaisquer circunstâncias nas quais o ato comunicativo (com seus participantes, objetivos, tempo e espaço) esteja em curso. Daí a afirmação de Costa Val (2004, p. 3): as pessoas conversam textos, e não palavras ou frases soltas.
E o que são gêneros textuais? Resenha, folder bancário, cartas-pergunta em revistas femininas para adolescentes, coluna de jornal, diálogo em reuniões sociais, diálogos do cotidiano familiar, romance, teatro entre outros, tudo isso são gêneros textuais (Cf. Meurer e Motta-Roth, 2002), ou seja, todos esses escritos são exemplos de “formas verbais de ação social relativamente estáveis” (Marcuschi, 2005, p. 25) que ordenam a comunicação entre as pessoas. É certo que o gênero textual materializa-se em textos que possuem determinadas características lingüísticas (narrativos, descritivos, com discurso direto, predominantemente argumentativo). Mas, não é esse o seu principal traço definidor: o gênero é um fenômeno construído socialmente. Ele sobrevive enquanto sua função social se mantém – quando prediz e interpreta a ação humana, quando facilita a comunicação entre as pessoas.
Quais seriam os gêneros adotados no processo de aquisição da linguagem? Marcuschi não acredita que existam gêneros textuais ideais para o ensino de língua. Mas, afirma ser provável a identificação de gêneros “com dificuldades progressivas, do nível menos formal ao mais formal, do mais privado ao mais público e assim por diante” (Marcuschi, 2005, p. 36). Por isso, a riqueza de propostas de análise e emprego, envolvendo, por exemplo, texto de opinião e a carta para séries iniciais; folheto turístico, folheto instrucional, cartão postal, quarta capa, canção/letra de música, verbetes, resumos, entrevistas para os últimos ciclos do ensino fundamental e o ensino médio; o chat educacional para alunos de graduação e pós-graduação.
E a história em tudo isso? Composto um livro didático de história com essas orientações pedagógicas e lingüísticas, estaríamos concebendo o ensino de história como compreendido no ensino da língua portuguesa? Pensamos que uma alternativa não anula a outra. O que caracteriza o texto didático de história, ou melhor, o que o diferencia do texto didático de língua portuguesa não é tanto a abordagem (ambos levam em conta as possibilidades sócio-construtivistas dos trabalhos com alunos de 7 a 10 anos), mas a temática veiculada, que guarda, obviamente, relações estreitas com os objetivos do ensino de história para os primeiros anos do ensino fundamental: 1. em termos substantivos – fornecer-lhes referências conceituais (factuais, temáticas) fundamentais para a construção da sua identidade; 2. em termos metahistóricos – fazer com que as crianças desenvolvam a compreensão dos conceitos de tempo; auxiliá-los a aprender como e por que as explicações sobre o passado são diferenciadas e diferenciáveis; ajudá-los a aprender a descobrir coisas sobre o passado a partir das fontes históricas (Cooper, 2002).
Quais seriam os gêneros adequados à escrita didática para as séries iniciais? Ora, quaisquer gêneros que propiciassem a aquisição de conceitos substantivos e metahistóricos básicos, destinados às crianças de 7 aos 10 anos, aproximadamente. Os exemplos abundam nos livros didáticos produzidos nos últimos 4 anos: conto, poema, conversação, entrevista, história de vida, fábula, diário, carta, bilhete, agenda, calendário, convite (festa da escola, batizado, casamento etc.), bula de medicamento, folheto publicitário, reclame de jornal, pregão, tira de HQ, verbete de enciclopédia, anedota, charge, entre outros. Dispostos na página do livro didático, exemplares de gêneros diversos dariam o tom.
O leitor incomodado pode agora perguntar: não haveria um fio condutor, algo como um personagem, um problema, um eixo temático, uma situação desdobrada em enredo, percorrendo todo o livro? Não necessariamente. A página do livro didático poderia ser a exposição de dois, três ou mais exemplares de gêneros textuais propondo situações, convidando à interação, instigando a discussão entre os alunos e entre alunos e professor. O elemento que evitaria a aparência do livro como um grande álbum – uma história em quadrinhos sem quadrinhos ou um coquetel de atividades isoladas – seriam, exatamente, os conceitos substantivos e metahistóricos que se desejaria discutir/construir/apresentar. Entre os primeiros, estariam as referências identitárias fundamentais (nome/tempo/espaço/semelhança/diferença) que permitiriam a construção dos sujeitos (aluno, grupos sociais e instituições constituintes do local). Entre os últimos, as noções básicas citadas que viabilizariam o desenvolvimento da idéia de tempo histórico (ordenação, duração, simultaneidade).

A escrita didática da História (4).
Cyborg. Aracaju, 2008
Considerações finais
Evidentemente, tal proposta coloca alguns desafios para o construtor do livro didático. O primeiro deles seria adequar os gêneros textuais às mensagens substantivas e metahistóricas. Os textos escolhidos não possuem, em primeiro plano, a função de fonte histórica. Sua seleção obedece a uma necessidade da aprendizagem significativa. A escolha do gênero está ligada, primeiramente, à familiaridade e a utilidade de tal texto na vida do aluno, naquele determinado ciclo – a conversação não tem função em si, mas sim porque é freqüentemente empregada pelo aluno no Orkut ou no MSN. Mas, esse caráter não impede que o gênero textual intermedeie/viabilize/motive a discussão sobre duração, causa-efeito, semelhança-diferença etc.
Um outro desafio é o controle da técnica de elaboração dos textos. Sabemos que cada gênero possui uma “gramática” que nem sempre é de conhecimento do escrevinhador. Apresentar um conto é um desejo de muitos, mas escrevê-lo, ou reescrevê-lo para que ele caiba em dois terços da página, mantendo os elementos fundamentais desse tipo de seqüência, essa é uma atitude um pouco mais complexa. Da mesma forma, ler gibi é ação prosaica, mas criar um personagem, produzir uma ação para ser contada em quatro quadros exige uma habilidade pouco comum. É necessário, portanto, dominar algumas técnicas de produção textual, de produção e leitura de imagens para compatibilizar o gênero com o universo do aluno e a situação de aprendizagem que se deseja criar/reproduzir.
Moderar as expectativas também é importante. O produtor desses textos deverá acostumar-se com a possibilidade de não elaborar um livro didático com “começo, meio e fim” orientados cronologicamente. Também deve preparar-se para as múltiplas janelas abertas, as várias formas de apropriação por parte dos alunos que resultarão em invenções. Certo que algumas referências identitárias a serem “transferidas” são fundamentais, mas essas referências (nomes, datas, processos etc.) não farão sentido se os conceitos metahistóricos não forem devidamente experimentados e desenvolvidos nesse período escolar.
A última dificuldade é de ordem gráfica. É necessário boa dose de sensibilidade para harmonizar os textos na mancha, como forma de possibilitar a compreensão de cada um, a intertextualidade e interatividade.

Para citar este texto
FREITAS, Itamar. A escrita da história para as séries iniciais: o texto didático em questão In: OLIVEIRA, Margarida Maria, STAMATTO, Maria Inês. O livro didático de História: políticas educacionais, pesquisas e ensino ed. Natal: Editora da UFRN, 2007, p. 145-152.

Referências bibliográficas
ARAÚJO, Acrisio Torres de. História de Sergipe. Aracaju: s.n: 1967.
AZEVEDO, Tânia Maris de. Argumentação, conceito e texto didático: uma relação possível. Caxias do Sul: Educs, 2000.
BARCA, Isabel. Literacia e consciência histórica. Educar, Curitiba, número especial, p. 93-112, 2006.
BERGAMASCHI, Maria Aparecida. O tempo histórico no ensino fundamental. In:  HICKMANN, Roseli Inês (org.). Cadernos Educação Básica n. 8: Estudos Sociais – Outros saberes e outros sabores. Porto Alegre; mediação, 2002. p. 21-33.
BEZERRA, Maria Auxiliadora. Ensino de língua portuguesa e contextos teórico-metodológicos. in: DIONÍSIO, Ângela Paiva e MACHADO, Anna Rachel. Gêneros textuais e ensino. 4 ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. p. 37-46.
BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Livro didático e conhecimento histórico: uma História do saber escolar. São Paulo, 1993. Tese (Doutorado em História) – Departamento da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.
CEREJA, William Roberto e MAGALHÃES, Thereza Cochar. Texto e interação: uma proposta de produção textual a partir de gêneros e projetos. São Paulo: Atual, 2000.
CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, São Paulo,v. 30, n. 3, set./dez. 2004.
COOPER, Hilary. Didáctica de la historia en la educación infantil y primaria. 2 ed. Buenos Aires: Madrid, 2002.
FREIRE, Felisbelo. História de Sergipe (1575-1855). Rio de Janeiro: Tipografia Perseverança, 1891.
FREIRE, Laudelino. História de Sergipe. Aracaju: Tipografia do “Estado de Sergipe”, 1898.
FREITAS, Itamar. O livro didático de história de Sergipe. Jornal da Cidade, Aracaju, 20 fev. 2002.
__________. A historiografia escolar na Comissão Nacional do Livro Didático: pareceres de Jonathas Serrano (1938/1941). História e Ensino. Londrina, n. 12, p. 141-155, 2006.
GATTI JÚNIOR, Décio. A escrita escolar da História: livro didático e ensino no Brasil (1970/1990). Bauru: Editora da Universidade Sagrado Coração; Uberlândia: Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2004.
LEE, Peter. Caminhar para trás em direção ao amanhã: a consciência história e o entender a história. www.cshc.ubs.ca/viewabstract.php. Capturado em 21 nov. 2005.
MAINGUENEAU, Dominique. Termos-chave da análise do discurso. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. in: DIONÍSIO, Ângela Paiva e MACHADO, Anna Rachel. Gêneros textuais e ensino. 4 ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. p. 19-36.
MEURER, José Luiz e MOTTA-ROTH, Désirée (orgs.). Gêneros textuais. Bauru: Edusc, 2002.
MONTALVÃO, Elias. Meu Sergipe: ensino da História e Corografia de Sergipe. Aracaju: Tipografia Comercial, 1916.
MUNAKATA, Kazumi. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. São Paulo, 1997. Tese (Doutorado em História e Filosofia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
NEVES, Déborah. Vamos conhecer Sergipe. s.n: 198-.
OLIVEIRA, Genialda Matos. O novo Sergipe. São Paulo: Instituto Brasileiro de Edições Pedagógicas, 1986.
ORLANDI, Eni Puccinelli. O discurso pedagógico: a circularidade. In: A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4 ed.  Campinas: Pontes, 1996. p. 15-23. [Primeira edição em 1983].
_________. Para quem é o discurso pedagógico. In: A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4 ed.  Campinas: Pontes, 1996. p. 25-38. [Primeira edição em 1983].
_________. O discurso da história para a escola. In: A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4 ed.  Campinas: Pontes, 1996. p. 59-79.  [Primeira edição em 1983].
PAVIANI, Jayme. Apresentação In: SANTOS, Márcia Maria Cappellano dos. Texto didático: propriedades textuais e pressupostos epistemológicos. Caxias do Sul: EDUCS, 2001. p. 11-12.
PIAGET, Jean. Princípios de educação e dados psicológicos. In:  Psicologia e pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária,  1998. p. 154-184.
POZO, Juan Ignácio; ASENSIO, Mikel; CARRETERO, Mario. Modelos de aprendizje-enseñanza de la historia. In: La enseñanza de las ciencias sociales. Madrid: Visor, 1989. p. 211-239.
PROENÇA, Maria Cândida. Didática da história. Lisboa: Universidade Aberta, 1989.
RAMOS, Graciliano. Alexandre e outros heróis. 21 ed. Rio de Janeiro: Record, 1981.
RIBEIRO, Luís Távora Furtado e MARQUES, Marcelo Santos. A construção do tempo infantil: do passado próximo ao passado distante. In: Ensino de História e Geografia. 2 ed. Fortaleza: Brasil Tropical, 2001. p. 75-90.
RÜSEN, Jörn. Razão histórica – teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: Editora da UnB, 2001.
SANTOS, Lenalda e OLIVA, Terezinha Alves. Para conhecer Sergipe. Aracaju: Opção, 1998.
SANTOS, Márcia Maria Cappellano dos. Texto didático: propriedades textuais e pressupostos epistemológicos. Caxias do Sul: EDUCS, 2001.
SANTOS, Maria Gorete da Rocha. Sergipe: geografia, história. São Paulo: FTD, 1994.
SCHMIDT, Maria Auxiliadora e CAINELLI, Marlene. Ensinar história. São Paulo: Scipione, 2004.
VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.


Notas
[1] Por trabalhar com outro conceito, e à certa distância da lingüística textual, resolvemos não incluir esse comentário no corpo do texto. Mas, é esclarecedor atentar que uma vertente da análise do discurso, difundida no Brasil, também põe o foco no “pedagógico” (a escola como “sede da reprodução cultural” e da “estrutura das relações de classe”) para definir a escrita “didática”.  Segundo Eni Puccinelli Orlandi, “pode-se distinguir três tipos de discurso, em seu funcionamento – discurso lúdico, discurso polêmico e discurso autoritário”. O “discurso pedagógico”, “tal qual ele se apresenta atualmente” [1978] é um discurso do tipo “autoritário”, ou seja, que estabelece uma relação hierárquica entre o aluno “(o que não sabe e está na escola para aprender)” e o professor “(aquele que possui o saber e está na escola para ensinar)”; que quebra as leis do discurso cunhadas por O. Ducrot (o ouvinte deve desconhecer o objeto da informação, tem que interessar-se pela informação, e deve ver na informação alguma utilidade), mascarando-as com a idéia de motivação; e, por fim, que exclui o “referente” da [relação comunicativa]. “A estratégia, a posição final, aparece como o esmagamento do outro. Nesse sentido, poderíamos dizer que A ensina B = A influencia B. (Orlandi, p. 1996, 15-23). Como essa relação pode ser percebida no discurso pedagógico? Puccinelli dá exemplos com expressões costumeiras (orais e escritas) do cotidiano do professor, tais como: a forma imperativa (‘Responda...?’), as palavras motivadoras (“dever”, “ser preciso”), as perguntas diretas (“Não é verdade?”, “Percebem?”, “Certo?”), a objetalização (“isso”), a repetição e a perífrase. No escrito didático de história –  texto “didático quando referido (regulado) a um uso institucional, ou seja a escola” (Orlandi, 1996, p. 76) –, a diluição (e/ou ocultação) do sujeito na história é operada por meio do uso dos advérbios de tempo, lugar e modo,o abuso da “causatividade”, de verbos na voz passiva ou na forma impessoal. Como antídoto ao “autoritário” presente no “pedagógico”, a autora sugere: “Do ponto de vista do autor (professor) uma maneira de se colocar de forma polêmica é construir seu texto, seu discurso, de maneira a expor-se a efeitos de sentidos possíveis, é deixar um espaço para a existência do ouvinte como ‘sujeito’. Isto é, é deixar vago um espaço para o outro (o ouvinte) dentro do discurso e construir a própria possibilidade de ele mesmo (locutor) se colocar como ouvinte. É saber ser ouvinte do próprio texto e do outro. Da parte do aluno, uma maneira de instaurar o polêmico é exercer sua capacidade de discordância, isto é, não aceitar aquilo que o texto propõe e o garante em seu valor social: é a capacidade do aluno de se constituir ouvinte e se construir com autor na dinâmica da interlocução, recusando tanto a fixidez do dito como a fixação do seu lugar como ouvinte, ou seja, é próprio do discurso autoritário fixar o ouvinte na posição de ouvinte e o locutor na posição de locutor. Negar isso não é negar a possibilidade de ser ouvinte, é não aceitar a estagnação nesse papel, nessa posição.” (Puccinelli, 1996, p. 32-33).
[2] Como por exemplo:
Professor – “Classifiquem a palavra casa”.
Aluno – “Casa é substantivo, comum, simples, primitivo, concreto, dissílabo, paroxítono, feminino e singular”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário